Literatura

Longe

longe

por Clarice Casado

Não sabes ao certo
quantas tardes
terão que morrer
Para que a nossa
estada no mundo
Não se torne
tão invisível
tão improvável
Insuportável
Quantas vezes
choraste
nos outonos doídos
Sem saber
Que nada importava
Apenas nós
Apenas a terra
O porto
apenas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s