Literatura

Deserto

deserto_p2
imagem: Isabel Dall’Agnol

por Isabel Dall’Agnol

Às vezes, sinto que
o mundo me testa.
Cria demônios em anjos.
Escurece o sonho,
devagar.

Mata a alma e
cria lugar.
Deixa de estar.
Amarrota minhas
mãos, cansadas.

Mas alcanço.
O vão.
Em vão.

Atormenta o senso,
enquanto embrulha
o estômago.

Às vezes, sinto que o chão
se despede.
A página se cala.
E me perco.

Humilho o
semblante.
Visto a pele,
em chamas.
Mostro, querendo
correr.

Quero esconder.
E me esquecer.
Deixar, então,
que perturbe
e se grude.

Só.
Deserto.

Fio, que me costura
o talhe.
E prende a minha sede.

É sina,
que me cobre.
Mente o tempo.
Eterno nó.

Livre de braços.
Abraço o destino.

Sou a noite que inunda.
Que arrepia a tua crina.
Provoca os teus lábios.
E cala o teu olhar.

Sou dor esquecida.
Saudade vazia.
Culpa de desejo.
Escassez de calor.

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: