Manifesto

Manifesto_P2
imagem: Cassiano Rodka

por Clarice Casado

E eis que me surge um poema
Depois de tanto tempo,
Vem ele me tomando, devagarinho…
Conhece todos os cantinhos da minha mente e do meu corpo,
que fica tentando me dizer o que posso e o que não devo fazer – em vão.
Hoje sou líquida.
Mas não quero ser pura.
Ao contrário da água,
sou senhora absoluta das minhas formas de me libertar.
Entre estranhos limites,
Faço meu ninho,
Desenho desatinos,
Me esvaio, escandalosa.
Não busco mais sentido, porém.
Nas veias, a plenitude,
No corpo, a certeza,
Em todos os olhares, a exatidão.
Na alma, o retrato que desenho em detalhes, e guardo em mim.
E não deixo fugir.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s