Literatura

Rua Dr. Barros Cassal

RuaDrBarrosCassal02_P2
imagem: Cassiano Rodka

Da janela que dá para o infinito
(aquele que está por vir)
Vejo o cinza óbvio da cidade
(Tão óbvio quando esse verso tolo)
Cidade minha da infância, antes tão grande, hoje tão pequena.
Vejo esses prédios sufocantes
(Me sussurrando segredos, sugerindo rebeldias)
Mais ao longe vejo o rio,
Que, dizia meu livro de geografia,
na realidade era um lago.
(Sempre preferi chamá-lo de rio)
Vejo os vizinhos e suas sombras cheias de cor e movimento
(Imagino suas histórias, e elas se debatem no meu ser precocemente pré-adolescente)

Da janela que dá para dentro
(De mim)
Vejo todas as aquelas histórias que criei sobre os vizinhos cinza-coloridos.
Vejo uma magrela tímida,
Vejo sua mente fervilhando,
E suas lágrimas se formando
(Sempre sofri pelo que eu não conseguia mudar
– sofro até hoje)
Vejo um movimento intenso de ideias, letrinhas, palavras,
Vejo uma luz imensa:
o brilho ensurdecedor de uma poeta em formação.

um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s