Literatura

Ilhéu

imagem: Isabel Dall’Agnol
A calça verde
segue etiquetada
no armário.
Enquanto as maquiagens
dormem
por cima da pia.
O reflexo no espelho…
Nossas caretas
para passar o tempo.
De quando em quando
me doem lágrimas.
Que, sequer,
posso agarrar.
Queria eu
ser fantasia.
Estar no colo
da minha Bordini, 28.
Sob a parreira cor de uva.
Sem o compromisso.
Sem a conta.
Sem o amanhã.
Queria pai,
mãe, irmã…
Quando devo eu
ser mármore em poeira.
Sigo.
Espero.
Espera.
É tempo de espera.
Partido em esperança.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: