Literatura

Duo

imagem: Isabel Dall’Agnol

É a carne
que te alimenta.
É o sangue
que te vive.

Ele cresceu
contigo.
E compartilharam
do mesmo quarto,
do mesmo armário,
da mesma cômoda.

Sentaram à mesa,
por anos.
Juntos.
E brincaram
de esconder,
e de mentir,
e de fazer,
e de ser
e de viver.

Sempre aquele
que te defende,
e que te arma,
e que te rende
e que te prende.

Lástima!
Da vida!
Da carne!
Do sangue!
Da alma!
Que lástima.
Lastimo…

De repente,
o colorido
derramou-se.
O trato virou
desordem.
O aconchego
estranho.
O abrigo
vazio.
O escuro
sozinho.

Será que ele esqueceu…
Do gosto…?
Da gargalhada…?
Da lágrima…?
Da piada…?
Da fantasia…?
Do fundo…?
Da tua
mão…?

É a carne
que te alimenta.
É o sangue
que te vive.
Afinal…
Não seria
o final?

Teu coração
apertado.
Teu olho
embaçado.
Tua cabeça
embaralhada.

É a carne
que te alimenta?
É o sangue
que te vive?

Duo
duvidoso.
Dúbio
perigoso.
Ambíguo
precioso.

Pois é abraço.
No tempo.
No espaço.
No ventre.
Na alma.
Na flutuante,
infinita e
terna
identidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: