Literatura

Ariadne ou Grapefruit com leite e mel

Ilustração: Cassiano Rodka

Não percebeu que dormiu com a taça na mão. Sentiu os lábios colados quando acordou, a língua pedindo água, o batom vermelho beijando a almofada, aquela liquidez toda na lembrança, e os olhos? Não viam mais os segredos. Tinha só a sensação do nome dela, aquele gosto de grapefruit em Creta.

Você sabe que a sentiu, e ela te invadiu pelas beiradas. Soberanamente, e mudou seus parâmetros. Era pra ser apenas matutino, agora são todas as horas, e as semanas se fazem meses em dois segundos. Só dá ela. E ela te dá mais que você entende que merecia. Anos. E aquele desvairio todo.

As cores são sempre as mesmas: laranja, vermelho, amarelo, e aquela sensação de alva liquidez da pele dela, meio leite, meio lúdica, meio luz. O olhar agateado, o mel dela te devorando como se só existisse o hoje. E você manhoso, esperando pela próxima vez, aquela que está longe, mas sempre tão ali, do seu ladinho. Sua nuca de baunilha querendo agrados. Você tenta não lembrar da invasão, mas é em vão, e não consegue dar vazão. Não há mais espaços entre o seu corpo e o dela, e você sabe tão bem disso.

Aurora borealis. E vocês? No êxtase das cores. Como dois animais.

——–—–
O texto e a ilustração de hoje foram inspirados nas vídeo-artes de Stephanie Sarley como parte do Desafio Piras lançado pela nossa colunista Brunna Stock.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: