Literatura

Breve relato do fim

Foto: Brunna Stock

a folha ainda verde, logo ressequida, deixei-a exposta em meio a confusão das tarefas do dia, reminiscência da árvore frondosa majestade, raízes indomáveis que estalavam o calçamento em ondas, a romper com a dureza cinza da cidade que insistia na guerra de superar a si mesma, progressista, a cidade ia crescendo e a tudo engolia, boca de gula, insaciável, sempre tudo e todos com fome de mais tantas coisas, e também levou embora o jacarandá que morava desde sempre que se é mundo e vida naquele lugar e que muito tempo depois veio a se construir um lindo condomínio, ideal para sua família, era o anúncio, e então lá muitas pessoas de bem foram viver, e o velho jacarandá perdeu sua vez, um dia acordou e estava só o toco, foi para resguardar a segurança de todos que ali passavam e viviam, parece que ele já estava morto, poderia causar um grave acidente, essa foi a justificativa para o seu fim.


O texto de hoje foi inspirado na fotografia acima como parte do Desafio Piras lançado pela nossa colunista Brunna Stock.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: