Literatura

A caravela de lixo

Ilustração: Cassiano Rodka

“Lá vem o caminhão de lixo!”, gritava a mãe de Davi.

Para os adultos daquela pequenina cidade do interior, era hora de levar os sacos pretos (cheios de tudo aquilo que eles haviam dispensado de suas vidas) para fora de casa. Era preciso correr para não perder a passagem do veículo. Imagina ter que levar de volta pro lar tudo aquilo que já havia sido descartado e considerado sem
serventia. Uma calamidade!

Mas nos olhos de Davi, aquela chegada era PURA AVENTURA. Ouvia de longe o caminhão se aproximando e sabia que tudo iria mudar. O som caótico de gritos incompreensíveis e um motor baderneiro que fazia a rua tremer… Ahh, música pros seus ouvidinhos!

Enquanto os adultos enxergavam um caminhão de lixo, os olhinhos curiosos da infância – ansiosos! – avistavam uma caravela com rodas se aproximando com intrépidos piratas. Um deles, o comandante, trazia uma mão no volante e a outra para fora da janela fazendo sinais indecifráveis para os outros aventureiros pendurados na traseira. Eles, é claro, entendiam tudo e berravam uns para os outros aparentemente em uma outra língua. Um idioma que ele, algum dia, dominaria. Sim, porque Davi sonhava em ser lixeiro. Queria navegar pelas ruas da cidade pendurado a bombordo, descendo sempre que necessário para capturar os sacos de lixo (ou seriam tesouros?) que os nobres cidadãos traziam desesperadamente para as mãos desses impetuosos corsários.

Quando o caminhão passava na frente de sua casa, o menino abanava para os parceiros de aventura. Eles sinalizavam de volta, pois sabiam – é claro! – que ele, um dia, também seria um deles. Assim que a caravela motorizada desaparecia em meio a um lindo e tóxico nevoeiro preto, a rua era preenchida por um silêncio com sabor de normalidade. Blergh!… Por alguns segundos, ele fitava o horizonte, sabendo que a aventura continuava além daquela misteriosa linha.

Mas, assim como as grandes embarcações, logo a mente de Davi mudava de curso. Sem seguir qualquer bússola, sua imaginação passava a vagar por outras ondas, levando o menino a desbravar novas terras, ilhas e outras maravilhas que só ele poderia explicar.


O texto de hoje foi inspirado na fotografia acima como parte do Desafio Piras lançado pela nossa colunista Brunna Stock.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: