Literatura

Abuso

Foto: Isabel Dall’Agnol

As tuas mãos pesadas,
simplesmente,
ainda pesam
E as minhas,
seguem curtas demais
para abraçar-te

A dor não fica
tão apenas naquele
corpo pequeno
Arrasta-se…
E, com o passar
dos anos, se exibe
Pois já não quer
calar-se

É uma veste,
ainda que invisível,
que quer fazer
deste corpo maduro nu

Acho que agora
percebo
O pouco que se sabia
Que se sentia
Que se entendia

A culpa já passa
batida
E a vergonha
encolhida
É a dor, que
fingia escondida,
que desvenda
este andar

Nunca é tarde pra
falar
Nunca é hora de
calar

É um fardo
Eterno
Que merece
mirada
Que merece
amparo
Que merece
reparo

Ainda temo a dor
que fica
Deito com teu espelho
vil
E sonho que possas
descarnar-se deste
corpo manchado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: