Literatura

Quando a sereia envelhece

Você olha e lamenta.
Não vê mais beleza.
Mede nos olhos a tristeza
de alguém que já não é.

A pele secou.
O peito murchou.
Pra você, ela passou da hora.
E seu rosto chora.

Mas há o canto.
Que, enquanto você olhava,
não percebeu.
Mas ouviu.
Lhe seduziu.
E você caiu.

No canto da sereia.
No conto do vigário.
Pra deixar de ser otário.

Acione todos os sentidos.
A beleza não está só no olhar.
Ela também ecoa na concha dos ouvidos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: